Glórias do Passado: Temporada de 1977/78 - 3ª Parte

 

Temporada de 1977/78 - 3ª Parte


Na 6ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão da temporada de 1977/78 a equipa do Vitoria SC, na frente da classificação, deslocou-se à cidade do Sado para defrontar o Vitoria de Setúbal. Frente a frente duas boas equipas da década de 70 do futebol português, ambas superiormente orientadas por dois conceituados treinadores portugueses, Mário Wilson, por banda do Vitoria SC, e Fernando Vaz, no comando da equipa sadina.

E o conhecimento táctico de ambos os técnicos ficou evidente logo nos minutos iniciais do encontro. Fernando Vaz, percebendo que a força da equipa vimaranense estava no comando de Almiro, colocou o setubalense Narciso em marcação individual e ríspida ao brasileiro do Vitoria SC.

Em consequência disso, a organização ofensiva do futebol vitoriano ficou limitada pela forte marcação a Almiro. Todavia, o hábil jogador brasileiro do Vitoria SC ainda conseguiu algumas boas iniciativas, embora a acção de Tito, Pedrinho e sobretudo Romeu, mais soltos de marcação, fossem mais flagrantes e perigosas.
.
(Ataque da equipa do Vitoria SC no encontro disputado no Estádio do Bonfim na temporada de 1977/78)
.
A acção do esquema setubalense sobre Almiro culminaria, porém, com uma entrada duríssima sobre o jogador do Vitoria SC, forçando-o a sair por lesão logo aos 23 minutos.

O Vitoria SC perdia assim o seu motor ofensivo logo nos momentos iniciais do encontro o que, naturalmente, causou reflexos no desempenho da equipa ao longo da partida.

O certo é que, sobretudo durante os primeiros vinte minutos de jogo, o Vitoria SC foi dominador, desbobinando excelentes jogadas de ataque e causando algum frisson junto da baliza contrária, perante um Vitoria de Setúbal sereno, retraído e expectante.

Aos 30 minutos, porém, contra a corrente do jogo e instantes depois da saída de Almiro por Lesão, o Vitoria de Setúbal chegaria ao único golo da partida através de Vítor Madeira que, na passada, concluiu com eficácia uma boa jogada de contra-ataque do consagrado Jacinto João.
.
(Agora um lance na zona defensiva do Vitoria SC com Torres ao centro)
.
No desenrolar do encontro realça-se ainda o bom jogo em que afinal resultou este confronto entre os dois Vitorias do futebol português perante o numeroso público que acudiu ao Estádio do Bonfim.

O Vitoria SC, em busca da igualdade, com um futebol colectivo bem ritmado, intencionalmente ofensivo e arrojado, embatia numa equipa setubalense matreira quanto baste, bem estruturada defensivamente, sem precipitações e com um contra-ataque, executado na perfeição quer por Vítor Madeira quer por Jacinto João, e sempre muito perigoso.

A turma vimaranense, apesar dos vários intentos, não conseguiu furar com êxito a bem organizada defensiva do Vitoria de Setúbal. As oportunidades sucederam-se, com destaque, já no 2º tempo, para um remate à base do poste executado por Abreu. Todavia, o golo não aconteceu e o Vitoria SC saiu derrotado do Bonfim por 1-0.
.
(Intervenção segura do veterano guardião setubalense Vaz)
.
Regressando ao Estádio Municipal de Guimarães, perante cerca de 10.000 espectadores, o Vitoria SC venceu o GD Estoril Praia por 2-0 no encontro a contar para a 7ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, com golos da autoria de Tito e Mané.

Apesar do mau estado do relvado, escorregadio e completamente encharcado pela chuva que se abateu sobre a cidade de Guimarães na véspera do jogo, o Vitoria SC conseguiu, sobretudo durante a 1ª parte, praticar bom futebol e criar varias oportunidades de golo.

O primeiro tento do desafio chegou bem cedo. Logo aos 5 minutos de jogo o Vitoria SC colocava-se na frente do marcador através de um excelente remate desferido de fora da grande área pelo avançado Tito. Inquestionavelmente, um golo de belo efeito e que lançou a equipa vimaranense para o triunfo.

Pois, aos 19 minutos, o Vitoria SC sentenciou a partida registando aquele que seria o resultado final com um golo de Mané, respondendo de cabeça a um cruzamento preciso do lateral direito Ramalho.

Depois de esta entrada triunfante da equipa do Vitoria SC, a formação estorilista conseguiu recompor-se, tentando, com galhardia, equilibrar a contenda. Passou a ter maior iniciativa atacante e a abeirar-me mais vezes da baliza vitoriana.
.
(Intervenção arrojada do guarda-redes estorilista Ferro aos pés do avançado do Vitoria SC Mané)
.
Sobretudo durante o início do 2º tempo, a equipa do GD Estoril Praia, pela sua postura ofensiva, foi mais perigosa. Tratou-se, porem, de meros sinais de perigo e sem resultados práticos, pois a formação estorilista não conseguiu marcar.

Repartido o domínio do jogo - na 1ª parte para o Vitoria SC e na 2ª parte para o GD Estoril Praia - foi mesmo na capacidade de finalização que esteve a grande diferença entre as duas equipas.

Com o caminhar para o final do jogo, o ritmo de ambas as equipas foi diminuindo substancialmente, fruto do desgaste causado pelo mau estado do terreno, terminando sem qualquer outra anotação de relevo.

O resultado deste encontro acabou sendo considerado como uma vitória justa da equipa da cidade berço sobre um adversário de respeito e digno dos mais rasgados elogios pela prestação realizada.
.
(Jogada de ataque do Vitoria SC sobre o GD Estoril Praia)
.
À 8ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão o Vitoria SC deslocou-se ao Estádio das Antas para defrontar o FC Porto, obviamente, um dos grandes favoritos à conquista do principal ceptro nacional, nesta temporada comandado por José Maria Pedroto, e que contava só com vitorias os jogos disputados em casa.

O jogo começou com uma atitude prudente e de expectativa da equipa de Guimarães perante um claro ascendente da equipa portista, sensacional mesmo nos primeiros instantes. Contudo, foi o Vitoria SC a inaugurar o marcador, logo aos 11 minutos de jogo, por intermédio do avançado brasileiro Mané.
.
(Celton, Ramalho e Alfredo, defensores do Vitoria SC neste desafio frente ao FC Porto)
.
O avançado vitoriano, à saída do guardião portista Fonseca, concluiu muito bem, com o pé esquerdo, após uma fatal assistência do companheiro de ataque Tito e depois de uma sensacional jogada de contra ataque desenhada por Romeu.

Este golo gelou os indefectíveis portistas. A equipa do FC Porto, também visivelmente afectada pelo golo madrugador vimaranense, desorientou-se e, nesta altura, a equipa do Vitoria SC poderia mesmo ter aumentado o marcador, dispondo para o efeito de duas flagrantes oportunidades para marcar, ambas bem detidas por brilhantes intervenções do guarda-redes Fonseca.
.
(Alfredo e Pedrinho na marcação ao jogador do FC Porto neste encontro entre a formação portista e o Vitoria SC no Estádio das Antas)
.
Dotado de jogadores fantásticos, o FC Porto reorganizou-se pouco depois, jogando rápido e preciso, voltando a colocar grandes dificuldades à turma vimaranense. Ainda antes do intervalo, corria o minuto 35, o FC Porto conseguiu igualar o maçador, através de Gomes, que entrara dois minutos antes para o lugar de Celso.

Oliveira gizou, com a sua conhecida mestria, uma grande jogada individual sobre o lado direito. Cruzou com propósito para o interior da grande área vimaranense onde, ao segundo poste, surgiu Seninho a empurrar em direcção à baliza do Vitoria SC. No caminho que a bola levava para a transposição da linha de golo surgiu o toque final de Gomes a confirmar o tento da igualdade do FC Porto.
.
(Excelente intervenção do guarda-redes do Vitoria SC Melo perante a presença do portista Oliveira)
.
A reviravolta no marcador iria ocorrer logo na primeira jogada da 2ª parte. O avançado portista Duda foi o autor do golo numa recarga a um remate de Seninho defendido in extremis por Melo.

A equipa do Vitoria SC, evidenciou, então, alguma desorganização defensiva e passou, por isso e pela qualidade do futebol desbobinado pelo FC Porto, um momento complicado, onde o golo portista poderia ter acontecido.
.
(Lance aereo disputado na grande area do Vitoria SC)
.
(Os festejos do segundo golo do FC Porto)
.
Em desvantagem, o Vitoria SC refrescou-se com as entradas de Ferreira da Costa e Mário Ventura. Teve então que assumir as despesas do jogo e adoptar uma postura mais ofensiva do que aquela que vinha evidenciando. Passou a dominar o destino do jogo, é certo, embora, sem criar grandes problemas à bem organizada defensiva portista.

O resultado final de 2-1 favorável ao FC Porto poderá considerar-se algo injusto para o desempenho de grande nível do Vitoria SC. De qualquer forma, este desafio entre o FC Porto e o Vitoria SC foi considerado por toda a critica desportiva como um dos jogos mais disputados, emotivo e de qualidade técnica acima da media, no inicio desta edição do Campeonato Nacional da 1ª Divisão.


Autor: Alberto de Castro Abreu

Enviar um comentário



<< Home
Site Meter