Glórias do Passado: Ferreira da Costa

 

Ferreira da Costa


Ferreira da Costa foi um futebolista formado nas camadas jovens do FC Porto, onde chegou a jogar pela equipa sénior. Maior notoriedade atingiu, inquestionavelmente, ao serviço do Vitoria SC, onde tornou-se num dos mais destacados jogadores portugueses, tendo registado também excelentes passagens pelo SC Espinho, FC Penafiel e GD Chaves.

Natural de Gondomar, Joaquim da Rocha Ferreira da Costa nasceu no dia 1 de Novembro de 1953. Ingressou na equipa de juvenis do FC Porto na temporada de 1969/70, iniciando aí um percurso com quase duas décadas de duração como futebolista.

Logo na primeira temporada de azul e branco sagrou-se campeão nacional na categoria de juvenis. Na época imediatamente seguinte de 1970/71, Ferreira da Costa ao serviço do FC Porto venceu o Campeonato Nacional no escalão de juniores.
.
(Equipa de Juniores do FC Porto na decada de 70)
.
Em 1971/72 ainda cumpriu mais um ano na equipa de juniores portista embora já fosse presença frequente nos trabalhos da equipa principal do FC Porto. Não foi surpresa então a inclusão de Ferreira da Costa no plantel principal do FC Porto na temporada de 1972/73 às ordens do chileno Fernando Riera.

Com pouco mais de 19 anos de idade, pouca experiencia ao mais alto nível e a presença de jogadores de nomeada no quadro portista explicam os poucos jogos realizados por Ferreira da Costa ao serviço do FC Porto na época de 1972/73.

O jovem Ferreira da Costa actuou em 4 partidas do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, sendo 3 delas na condição de titular, não tendo apontando qualquer golo na competição. Por outro lado, a carreira do FC Porto na prova ficou bastante aquém das expectativas, quedando-se a equipa portista apenas na 4ª posição da classificação geral.

Naquela altura, o destino de muitos jovens formados nas camadas jovens do FC Porto era o SC Espinho, um clube da divisão secundaria mas com todas as condições para ajudar o desenvolvimento de jovens jogadores, nomeadamente, concedendo espaço para jogarem com regularidade e assim adquirirem a experiencia necessária para maiores exigências.

Ferreira da Costa foi um dos jovens portistas que se transferiu para a equipa do SC Espinho, disputando na época de 1973/74 o Campeonato Nacional da 2ª Divisão, Zona Norte.
.
(Equipa do SC Espinho na temporada de 1973/74)
.
De forma algo surpreendente a formação do SC Espinho realizou um notável percurso ao longo da temporada de 1973/74 acabando por conseguir a subida à 1ª Divisão Nacional, um feito inédito na longa história do clube espinhense.

O jovem Ferreira da Costa foi um dos elementos mais importantes no sucesso alcançado pelo SC Espinho, por esse motivo, despertou, desde logo, a atenção dos principais clubes nacionais.
.
(Equipa do SC Espinho na época de 1973/74)
.
Apesar de varias sondagens, Ferreira da Costa continuou mais uma temporada no SC Espinho, integrando assim a histórica equipa espinhense que fez a sua estreia no primeiro escalão do futebol português.

No comando técnico do SC Espinho estava o português Fernando Caiado, treinador que exerceria enorme influência na carreira de Ferreira da Costa, sobretudo, no ingresso no Vitoria SC.
.
(Equipa do SC Espinho no ano de 1974)
.
A estreia do SC Espinho na 1ª Divisão Nacional é que não foi muito feliz, acabando por ser relegada à 2ª Divisão Nacional, já que não conseguiu escapar ao último lugar da classificação geral.

Mesmo assim, na formação espinhense, mesclada com vários jovens jogadores de qualidade e alguns bem experientes, muito se destacou o avançado extremo Ferreira da Costa. O jovem jogador, nesta sua época de estreia na 1ª Divisão Nacional, realizou 28 jogos, apontando 1 golo na competição.
.
(Equipa do SC Espinho na temporada de 1974/75)
.
Obviamente não seguiu o mesmo rumo do SC Espinho e sob a influência de Fernando Caiado – que entretanto assumiu o comando técnico do Vitoria SC para a temporada de 1975/76 – reforçou a equipa vitoriana, vindo auferir, mensalmente, cerca de 16.000 escudos.

Começava assim a sua ligação ao Vitoria SC, mas também à cidade de Guimarães, a terra que ainda hoje acolhe o Ferreira da Costa e onde constituiu a sua família. Ferreira da Costa iniciava assim um período de 6 temporadas consecutivas ao serviço do Vitoria SC.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1975/76)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC na temporada de 1975/76)
.
Ao longo da primeira época em Guimarães, Ferreira da Costa não foi considerado um titular indiscutível na equipa do Vitoria SC, embora fosse um jogador bastante utilizado. Actuou em 19 jogos do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, 9 deles na condição de titular, tendo sido o autor de 3 golos em toda a prova.

A verdade é que Ferreira da Costa tinha o lugar no onze inicial do Vitoria SC tapado por jogadores de inquestionável craveira. Na zona ofensiva podíamos encontrar na equipa do Vitoria SC futebolistas como Pedroto, Abreu, Almiro, Pedrinho, Tito ou Rui Lopes.
.
(Ferreira da Costa o n.º 9 do Vitoria SC na temporada de 1975/76)
.
Ao nível colectivo refira-se o 6º lugar do Vitoria SC no Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1975/76 e a presença na final da Taça de Portugal. No final da época de 1975/76, com Ferreira da Costa na equipa titular, o Vitoria SC jogou a final da Taça de Portugal, no Estádio das Antas, frente ao Boavista FC.

A equipa axadrezada venceu aquela celebre final da Taça de Portugal por 2-1, mas onde o principal protagonista foi o árbitro António Garrido, o juiz escolhido para apitar o encontro, que terá realizado uma arbitragem que impediu a equipa do Vitoria SC de levantar o troféu.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1975/76)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Caricatura de Ferreira da Costa com as cores do Vitoria SC)
.

(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
A temporada seguinte de 1976/77 foi bem mais aziaga ao nível colectivo. Na verdade a equipa vitoriana andou sempre pela metade baixa da tabela classificativa nesta época de 1976/77, apenas garantindo, matematicamente, a manutenção num jogo decisivo frente ao Leixões SC no Estádio Municipal de Guimarães em que os vimaranenses venceram por 2-0, com golos apontados por Tito.

Ainda assim o Vitoria SC terminaria a época numa tranquila 9ª posição da tabela geral do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. A onda de lesões que assolou o plantel vitoriano ao longo de toda a época exerceu, naturalmente, fulcral influencia na irregularidade evidenciada pelo Vitoria SC.
.
(Equipa do Vitoria SC na temporada de 1976/77)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria sC)
.

(Jogo frente ao SC Beira Mar em Guimarães)
.

(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
Também por isso, Ferreira da Costa acabou por cimentar a sua preponderância na equipa do Vitoria SC, fruto, essencialmente, da sua polivalência táctica, tão útil a qualquer treinador de futebol.

Ferreira da Costa foi na sua génese como jogador, a bem da verdade, um avançado que gostava de jogar nas alas, bastante rápido e muito buliçoso. Porém, dotado de uma técnica individual apurada, uma visão de jogo extraordinária, uma elevada capacidade em reter a bola e uma qualidade de passe acima da media, tornaram Ferreira da Costa um médio centro notável.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1976/77)
.

(Ferreira da Costa no Vitoria SC na época de 1976/77)
.
Refira-se, ainda, que Ferreira da Costa tratava-se também de um exímio marcador de lances de bola parada. Na marcação de grandes penalidades, livres ou em pontapés de canto, Ferreira da Costa sabia sempre onde colocar a bola, convertendo em golo ou assistindo com mestria os seus companheiros.

Às características técnico/tácticas individuais que Ferreira da Costa patenteava aliava-se ainda uma personalidade reconhecida, sobretudo, com o seu espírito de sacrifício louvável, o forte sentido de colectivismo e o profissionalismo inquestionável.

Durante a época de 1976/77, a temporada da afirmação definitiva no Vitoria SC, Ferreira da Costa foi totalista no Campeonato Nacional da 1ª Divisão actuando como titular em todos os 30 jogos da competição. Ao longo da época e nessa principal prova nacional Ferreira da Costa marcou 4 golos.
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Desafio entre o Vitoria SC e o Boavista FC)
.
A temporada de 1977/78 marca o regresso do treinador Mário Wilson ao comando técnico do Vitoria SC. O desempenho da equipa vitoriana ao longo da principal competição nacional é bastante meritório terminando classificado num honroso 6º lugar da tabela classificativa final.

Ferreira da Costa mantém a sua preponderância na equipa do Vitoria SC e volta a ser totalista no Campeonato Nacional da 1ª Divisão, embora, desta feita, só em 23 ocasiões foi titular. Nesta competição Ferreira da Costa marcou apenas 1 golo.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1977/78)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Caricatura de Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1977/78)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC na temporada de 1977/78)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
Seguiu-se a época de 1978/79, uma temporada recheada de inúmeras circunstancias negativas que prejudicaram a prestação do Vitoria SC ao longo do Campeonato Nacional da 1ª Divisão.

Vários acontecimentos geraram um profundo e insanável conflito entre a Direcção do Vitoria SC e o treinador Mário Wilson. O Velho Capitão não terminou a temporada de 1978/79 no comando da equipa, acabando por ser demitido do cargo de treinador do Vitoria SC.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1978/79)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Nova caricatura de Ferreira da Costa)
.
Ainda assim a formação vitoriana finalizou a principal competição portuguesa na 6ª posição da classificação geral. Ferreira da Costa alinhou em 23 partidas do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, sendo que apenas em 17 jogos apresentou-se como titular. Ao nível individual referencia ainda para os 2 golos apontados por Ferreira da Costa nesta edição da principal competição nacional.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1978/79)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Ferreira da Costa num treino do Vitoria sC)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
Na época de 1979/80 o Vitoria SC passou a ter como treinador, inicialmente, o argentino Mário Imbelloni, mais tarde foi substituído pelo seu adjunto Cassiano Gouveia.

O Vitoria SC acabaria por terminar o Campeonato Nacional da 1ª Divisão no 6º lugar classificação geral, numa época que ficaria marcada pelo célebre episódio de Manaca num jogo decisivo entre os vimaranenses e o Sporting CP.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1979/80)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC na temporada de 1979/80)
.
(Jogo frente ao Varzim SC no Estádio da Povoa do Varzim)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC na época de 1979/80)
.
Nesta temporada, Ferreira da Costa voltou a ser titularíssimo no conjunto vimaranense. Completou 29 jogos como titular na equipa do Vitoria SC no Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1979/80, apontando 3 golos na prova.

Terminada a época de 1979/80 seguiu-se aquela que seria a ultima temporada de Ferreira da Costa no Vitoria SC, a época de 1980/81. Esta temporada de 1980/81 é já da inteira responsabilidade do novo Presidente da Direcção do Vitoria SC, Pimenta Machado.
.
(Equipa do Vitoria SC na temporada de 1979/80)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC na época de 1979/80)
.
(Jogo frente ao CS Maritimo em Guimarães na época de 1979/80)
.
O ponto inicial da nova estratégia directiva foi a contratação de jogadores conceituados e de qualidade que reforçariam o plantel vimaranense o qual esteve, inicialmente, sob o comando do técnico Fernando Peres.

Depois de um início de prova algo titubeante o Presidente da Direcção do Vitoria SC, insatisfeito com os resultados conseguidos até então, decide despedir Fernando Peres e Cassiano Gouveia, a dupla técnica que comandava a equipa.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1980/81)
.
(Em 1980/81 no Vitoria SC)
.
(Ferreira da Costa na época de 1980/81 no Estádio da Luz)
.
Para os substituir chegam a Guimarães, o mestre José Maria Pedroto, coadjuvado por António Morais e Artur Jorge. O Vitoria SC melhorou significativamente de produção, alcançando resultados bem mais consentâneos com a valia da equipa.

A época de 1980/81 terminaria com o Vitoria SC classificado no 5º lugar da geral, um lugar de destaque numa época de bom nível, mas que, lamentavelmente, não chegava para cumprir o objectivo do clube em alcançar as competições europeias.
.
(Equipa do Vitoria SC na época de 1980/81)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(Ferreira da Costa no Vitoria SC)
.
(No Vitoria SC)
.
Ferreira da Costa continuou a ser titular no meio campo do Vitoria SC. Actuou em 25 encontros do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, tendo sido o autor de 8 golos na prova, indiscutivelmente, a melhor marca individual da sua carreira.

Contrariamente ao que seria de esperar, Ferreira da Costa não viu o seu contrato com o Vitoria SC renovado e, com evidente mágoa, teve que deixar o clube no final da temporada de 1980/81.

Com apenas 27 anos de idade ainda tinha muito para dar ao futebol, por isso, rumou na época de 1981/82 ao FC Penafiel, treinado, inicialmente, por Cassiano Gouveia, seu anterior treinador no Vitoria SC.
.
(FC Penafiel na época de 1981/82)
.
(Ferreira da Costa em Guimarães agora ao serviço do FC Penafiel)
.
(Ferreira da Costa no FC Penafiel na época de 1981/82)
.
(Em acção pelo FC Penafiel na temporada de 1981/82)
.
Representou durante 4 temporadas consecutivas o FC Penafiel, período onde viveu momentos marcantes na história do clube. Realce para o facto de ter assumido a condição de capitão da equipa duriense e ter sido também ao serviço do FC Penafiel que experimentou pela primeira vez a função de treinador, embora, acumulando como jogador.

Nos penafidelenses da temporada de 1981/82 foi, inegavelmente, um dos principais jogadores. Foi parceiro de Rui Lopes, outra grande aquisição do FC Penafiel para aquela temporada antigo companheiro de Ferreira da Costa no Vitoria SC.
.
(Equipa do FC Penafiel na época de 1981/82)
.
(No Estádio 25 Abril em Penafiel)
.
(Em 1981/82 em pleno Estádio de Alvalade)
.
Com a camisola da formação penafidelense, Ferreira da Costa actuou em 27 partidas oficiais do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, anotando 4 golos ao longo da competição, que o consagraram como um dos melhores marcadores da equipa.

Os seus préstimos não foram porem suficientes para ajudar a manter equipa do FC Penafiel no primeiro escalão. A modesta equipa penafidelense não evitou a disputa da “Liguilha”, já no início da temporada de 1982/83, e aí acabou por descer à 2ª Divisão Nacional.
.
(Equipa do FC Penafiel na época de 1982/83)
.
(Ferreira da Costa no FC Penafiel)
.
Por isso, com uma equipa pensada para a 1ª Divisão Nacional, o FC Penafiel teve que disputar a Zona Norte da 2ª Divisão Nacional. Acabou por ser fugaz a passagem pelo segundo escalão do futebol português, pois logo no final da temporada a equipa penafidelense conseguia regressar ao convívio dos grandes.

O FC Penafiel derrota o FC Paços de Ferreira por 2-0 na 29ª jornada do Campeonato Nacional da 2ª Divisão, Zona Norte, e dessa forma sela, definitivamente, a subida à 1ª Divisão Nacional, superando o FC Vizela na classificação.
.
(Caricatura de Ferreira da Costa com as cores do FC Penafiel)
.
Na equipa do FC Penafiel da época de 1983/84, de regresso à 1ª Divisão Nacional, Ferreira da Costa, o capitão, realiza 27 jogos, não tendo marcado qualquer golo durante esta competição.

Ferreira da Costa continuava a ser, manifestamente, figura fulcral na manobra da equipa penafidelense que tinha a particularidade e dificuldade acrescida para os adversários de actuar no pelado do Estádio 25 de Abril em Penafiel.
.
(Plantel do FC Penafiel na temporada de 1983/84)
.
(No pelado do Estádio 25 de Abril em Penafiel)
.
A visita do FC Penafiel a Guimarães para defrontar o Vitoria SC ocorreu na última jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1983/84. O Vitoria SC, já sem qualquer objectivo na competição, entrou praticamente a ganhar com um golo do defesa central Tozé, apontado logo aos 5 minutos de jogo.

O FC Penafiel, comandado pelo treinador/jogador Ferreira da Costa, o escolhido para substituir o demissionário Luís Miguel, precisava de pontuar para não ter que se submeter à “Liguilha” com as equipas vindas da 2ª Divisão Nacional.
.
(Em pleno jogo frente ao Sporting CP)
.
(O capitão Ferreira da Costa do FC Penafiel)
.
A equipa penafidelense ainda chegou à igualdade e tentou, tentou, tentou, mas não conseguiu vencer o encontro. Rezam as crónicas que o FC Penafiel dispôs de inúmeras ocasiões de golo e que nessa partida o guardião vitoriano Jesus terá efectuado uma magnífica exibição.

Até mesmo um penalty defendeu o guarda-redes Jesus para desespero dos homens do FC Penafiel. Com esse resultado a equipa penafidelense teve que disputar a manutenção na 1ª Divisão Nacional na polémica “Liguilha”, o que desta vez veio a conseguir.
.
(Ferreira da Costa no FC Penafiel)
.
A passagem de Ferreira da Costa pelo FC Penafiel terminou na época de 1984/85. Desta feita, a turma penafidelense realizou uma campanha bem mais tranquila que as anteriores, sobretudo após a chegada de Fernando Cabrita ao cargo de treinador substituindo Manuel Barbosa.

O FC Penafiel acabou por terminar a temporada classificado no 10º lugar da tabela geral do Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1984/85. Por seu turno, Ferreira da Costa, que continuava a ser o capitão da formação duriense, actuou em 25 jogos da competição tendo apontado na época 4 golos.
.
(Equipa do FC Penafiel na época de 1984/85)
.
(Ferreira da Costa no FC Penafiel na temporada de 1984/85)
.
(Ferreira da Costa o capitão do FC Penafiel)
.
(Equipa do FC Penafiel na temporada de 1984/85)
.
(Ferreira da Costa no FC Penafiel na época de 1984/85)
.
(No FC Penafiel)
.
Entretanto foi seduzido pelo convite do GD Chaves que acabava de subir pela primeira vez na história à 1ª Divisão Nacional. A equipa transmontana transformou-se mesmo na sensação do Campeonato Nacional da 1ª Divisão nas épocas seguintes.

Em 1985/86 o GD Chaves, sempre treinado por Raul Aguas, conquistou um fantástico 6º lugar na classificação no seu ano de estreia no Campeonato Nacional da 1ª Divisão. O grande desempenho flaviense deveu-se, essencialmente, a uma 1ª volta de grande categoria e aos jogos disputados em Trás-os-Montes onde o GD Chaves era quase imbatível.
.
(Equipa do GD Chaves na época de 1985/86)
.
(Ferreira da Costa com as cores do GD Chaves)
.
Ferreira da Costa foi titular no meio campo flaviense com o jovem Kiki e Paulo Rocha. O veterano Ferreira da Costa emprestou muito do seu saber e experiência à equipa do GD Chaves durante a temporada de 1985/86, alinhando em 24 partidas e sendo o autor de 2 golos.

Tudo terminou no decurso de um jogo entre o CF Belenenses e o GD Chaves a contar para o Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Kostov, um médio búlgaro a jogar na equipa do Restelo, teve uma entrada duríssima sobre Ferreira da Costa, lesionando-o com extrema gravidade um joelho, nomeadamente, ao nível dos ligamentos cruzados e menisco.

Ferreira da Costa ficou ausente da competição durante um longo período de tempo. Embora recuperado, nunca mais conseguiu atingir a mesma performance que revelava antes daquela fatídica lesão.

Ainda pertenceu aos quadros do GD Chaves nas temporadas de 1986/87 e 1987/88. Porem, alinhou em pouquíssimos encontros, 4 jogos na época de 1986/87 e 1 jogo em 1987/88, sempre na condição de suplente utilizado.

A verdade é que as recaídas eram frequentes e o jogador nunca mais esteve a 100%, razão pela qual Ferreira da Costa acabou por colocar um ponto final na sua carreira de futebolista ainda no decurso da época de 1987/88.
.
(Plantel do GD Chaves na época de 1986/87)
.
(Plantel do GD Chaves na temporada de 1987/88)
.
Todavia, não se afastou imediatamente do futebol. Ainda na temporada de 1987/88, concretamente, em Janeiro de 1988, assumiu o cargo de treinador principal do CS Marítimo, substituindo o demitido técnico Manuel Oliveira a partir da 20ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão.

Com Ferreira da Costa no cargo de treinador, a equipa maritimista melhorou bastante de produção acabando aquela edição do nacional maior classificada no 9º lugar da tabela geral.

Em 1988/89 continuou como treinador do CS Marítimo. Porem, à 32ª jornada, foi substituído naquele cargo por Quinito. Curiosamente, na temporada seguinte seria ele a substituir Quinito no cargo de treinador da formação madeirense.
.
(Plantel do CS Maritimo na época de 1988/89)
.
(Ferreira da Costa na Ilha da Madeira)
.
Antes disso, Ferreira da Costa começou a época de 1989/90 como treinador da AD Fafe na 2ª Divisão Nacional, Zona Norte. Teve que deixar este projecto na agremiação fafense para tentar salvar o CS Marítimo da descida de divisão.

Acabou por terminar a temporada de 1989/90 com o CS Marítimo no 10º lugar da tabela classificativa. Ainda iniciou o Campeonato Nacional da 1ª Divisão da época de 1990/91 como treinador do CS Marítimo.
.
(Plantel do CS Maritimo na temporada de 1990/91)
.
Contudo, apenas ao cabo de 5 jornada da competição, Ferreira da Costa deixou a turma maritimista e foi substituído pelo brasileiro Paulo Autuori que, entretanto, tinha deixando de ser o treinador do Vitoria SC.

Após esta saída do CS Marítimo, alias bem conturbada, Ferreira da Costa, decidiu colocar um ponto final na sua ligação ao futebol profissional. A sua forma de ser não se coadunava com a forma de estar das pessoas e os procedimentos que formavam o circuito futebolístico português.

O futebol, a sua grande paixão, deixou de ser o seu modo de vida. Afastou-se completamente da modalidade, embora fosse frequentemente convidado para treinar vários clubes alem de um convite que recusou para ser Director Desportivo do Vitoria SC na década 90.

Entretanto, fez um curso de ténis e desde 1992 tornou-se professor daquela modalidade no Clube de Ténis de Guimarães. Também como jogador de ténis veio a tornar-se famoso, sagrando-se várias vezes campeão nacional na categoria de veteranos e vencedor dos mais importantes torneios nesse escalão.
(Ferreira da Costa no Clube de Ténis de Guimarães)
.
(Ferreira da Costa)
.
(O tenista Ferreira da Costa)
.
Actualmente, com 55 anos de idade, Ferreira da Costa continua a viver na cidade de Guimarães juntamente com a sua família. Alem da paixão pelo ténis e pelo futebol, já que continua a participar em convívios das velhas guardas do Vitoria SC, Ferreira da Costa também dedica parte do seu tempo à agricultura, explorando uma quinta na zona de Gondomar, a sua terra natal.
. (Ferreira da Costa)


Autor: Alberto de Castro Abreu

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Este comentário foi removido pelo autor.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Parabens para o ferreira e toda a sua familia ,são simplemente maravilhosos e um prazer ser vossa amiga!bjnhos
 
Enviar um comentário



<< Home
Site Meter